Corpus Inti

Festa!
Festa!

Nada se cria…
Tudo se transforma, se mistura…

(Dia 1 – Evento) Tivemos a sorte de presenciarmos a festa dedicada a Corpus Christi na Haukaypata (Plaza de Armas). Fiquei enlouquecida pela comemoração, pela dança e pela música alegre que em nada lembrava os cantos arrastados e os passos lentos da Igreja Católica que conhecia. Isto é que é festa!

Tudo era colorido, eles pulavam, agitavam lenços e fios de lã e carregavam os Santos Católicos ao redor da praça até chegar a Igreja principal de Cusco.

Depois, o guia nos explicou que antes dos espanhóis chegarem, os Inkas circundavam a praça com suas múmias em homenagem a Inti (Deus Sol, desejando que o Deus Sol – que se afasta no solstício de inverno- melhorasse e voltesse logo). Então, a festa de Corpus Christi ficou com uma certa cara da comemoração Inka – Inti Raymi.

* Todos os Guias nos falaram da tentativa de apagar a cultura local pelos Espanhóis. E que, em parte, os colonizadores conseguiram inserir o Cristianismo, mas …somente em parte.
( Porém, um dos guias nos apresentou o Santo Católico – Santiago Mata Índios – E disse que por mais que parecesse um absurdo, muitos locais cultivavam-no demostrando a massividade da tentativa da sobreposição cultural Espanhola).

Ah! Se um sacerdote Inka mentisse ou errasse a previsão para seu povo, pagaria com a própria vida! (Por que pode-se até perdoar quando se mente apenas para uma pessoa, mas não se mente para uma nação inteira!)

Ps.: Um pouco das ideologias Inkas cairiam muito bem hoje em dia!

Ecléticos

Tudo !
Tudo !

Eu quero é tudo !

Fomos convidados para uma festinha de criança. Então, com os conceitos já concebidos, uma boa dose de paciência reservada e um banho para me livrar do cansaço da sexta-feira, lá fomos nós. Afinal, festa é festa!

O lugar era o paraíso na terra para a pirralhada, pois tinha tudo o quanto era brinquedo. Mas o que impressionou, sem dúvida alguma, foi o menu da festinha. Tinha toda aquela coisa de primeiro os salgados, salgadinhos, hamburguinhos, batata frita, pão de queijo, cachorrinhos, sopa de feijão na caneca ((feijão!!!)), linguicinha com farofa, sanduíche de salmão e camarão, empadinhas, pratinho com massa ((massa)), pizza e para arrematar uma saladinha de folhas ((saladinha!!!)) e lá vem mais petisquinhos. Canta-se o parabéns e chega o doce, bolo, docinhos, churros ((churros!!!)), sorvete, mini-tortinha de chocolate e… Ufa ! (Impossível sair ileso – maravilha de perdição)

Isso sim é que é um menu eclético !
(Comer foi quase tão bom quanto conversar com alguns amigos loucos)

***Ps.: Pense bem antes de me convidar …. (hehehehehe)
– Muito divertido!

Rituais

Princess
Princess

Todas as culturas apresentam ritos de passagem ou rituais religiosos. Sendo assim, eu penso que cada um deve ficar dentro do seu quadrado. Se você não acredita que as almas atravessam os espelhos, não sou eu quem vai fazer você acreditar rsrsrsrsrsrsrsrr. Fala sério ! E tem cada mala que enferniza os teus ouvidos tentando de convencer que é bom para você – aquilo que serve só para eles. Vai tentar convencer o diabo que é imortal !

Neste sábado fomos em um casamento, lindo por sinal. Noiva, bolo, festa, convidados e muita atualização sobre a vida alheia ( assim como qualquer acontecimento significativo). A princess foi Aia, nem sei bem o que significa isto, mas estava literalmente uma princesa. No cerimonial religioso o padre confessou que queria mesmo era ser pai e sugeriu aos casais povoar toda a humanidade. Impedidos de por em prática imediatamente o conselho do padre, fomos a festa. Festa !!!
Lá pelas tantas, chegou a hora da noiva atirar o bouquet de flores. Quer dizer, repassar o sapo. E lá foram tomar posição todas as solteiras, desde aquelas que nem sabem o que é isto, até aquelas que será quase imposível que o sapo se transforme. Mas… quem sabe, não custa tentar…
Como eu não me enquadrava no pré-requisito, tentei encorajar a princess, afinal o sapo era tão bonitinho. Mas, May me responde :- Eu não vou não. Não quero! (?) Se eu pego o sapo, vou ter que me casar… eu tô fora ! ( … … cada um sabe aquilo que é melhor para si … …)